Além do enfrentamento ao novo coronavírus no município, a Prefeitura de Quatis está tendo a tarefa de combater um outro mal, tão grave e perigoso a todos quanto o  vírus: as fake news. Desde o início da pandemia, o governo já precisou utilizar os seus canais de comunicação para desmentir várias notícias falsas relacionadas ao Covid-19 no município.

Esta semana, circulou entre os moradores, talvez a mais grave e mentirosa informação referente ao combate à doença. Em um áudio repassado por um aplicativo de mensagem, uma mulher fala para outra pessoa para que evitasse ir a Quatis.  “porque todos os funcionários do hospital estão contaminados pelo Covid-19”. Disse ainda que “Quatis está um inferno de casos” e que a Prefeitura estaria “abafando os casos”. O hospital citado pela mulher no áudio, provavelmente, seria o São Lucas.

Com a conhecida velocidade da internet, o áudio logo se espalhou pela cidade e, até mesmo, chegou ao conhecimento de pessoas de cidades vizinhas. Isso obrigou a Prefeitura a mais uma vez se pronunciar para desmentir a informação e tranquilizar os moradores.

De acordo com o secretário interino de Saúde, Adriano Palma, a informação é mentirosa e tem a única função de gerar pânico na população. Ele reforça a importância da população sempre buscar se informar em canais e veículos de comunicação confiáveis  e nunca repassar informações de procedência desconhecida.

– É uma informação irresponsável. Se fosse verdade, se todos os funcionários estivessem contaminados como diz o áudio, o hospital hoje estaria fechado e a população sem assistência. Os profissionais do hospital São Lucas, principalmente, os que estão atuando na linha de frente no atendimento a casos suspeitos de Covid-19, passam por exames frequentes para atestarem a sua saúde, conforme orientação do Ministério da Saúde. São responsáveis e de maneira alguma continuariam as suas funções se apresentassem algum sintoma da doença – garante Palma.

Segundo o último boletim, quinta-feira, dia 28, divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde, o município registra 26 notificações, sendo 13 casos confirmados, 3 casos suspeitos, uma morte e 8 casos de pessoas curadas da doença. Dez casos foram descartados.

Consequências graves

O secretário esclarece que as consequências negativas com a disseminação de informações falsas como a do áudio são o temor dos moradores que por algum motivo necessite de algum outro atendimento médico, não relacionado ao coronavírus e tenha receio de buscar atendimento no hospital. Essa negativa de buscar o socorro médico pode levar a maiores complicações e até a morte.

Outra consequência ruim levantada pelo secretário é o preconceito que os profissionais que trabalham no hospital podem passar a sofrer por parte de algumas pessoas, motivada pelas fake news.

Para o prefeito Bruno de Souza (MDB) as fake news são o maior exemplo do mal uso da internet com consequências terríveis para a sociedade. Para ele, é inadmissível e criminoso propagar uma informação com consequências negativas tão graves com o único intuito de gerar pânico.

– Quatis, como outras cidades estão vivendo esse mesmo problema. Em um momento tão delicado que estamos passando, não podemos permitir que a informação, um dos maiores aliados no enfrentamento a esta pandemia, seja usada para desestabilizar uma cidade. Não é hora de fazer política ou melhor, a má política. Principalmente, com a saúde e o bem-estar da população. O país precisa urgentemente de uma lei específica para combater as fake news e punir severamente essas pessoas covardes e mal intencionadas que se escondem no anonimato da internet para disseminar o mal à população – afirmou o prefeito.

Comentários do Facebook

Comments are closed.