Oficina de artesanato atende famílias da área urbana e da zona rural

Toalhas de crochê, flores
artificiais, suportes de madeira e bolsas de papel estão entre as peças
confeccionadas por famílias de baixa renda atendidas pelos programas sociais da
Prefeitura de Quatis, sob a coordenação da Secretaria Municipal de Assistência
Social e Direitos Humanos. A oficina de artesanato (foto) produzida com
materiais recicláveis, bambu e fibras de bananeiras, entre outros artigos reaproveitáveis,
foi destacada nesta semana pela titular da pasta, Rosana de Almeida, como “uma
das ações voltadas à geração de renda e o resgate da autoestima por parte das
famílias acompanhados pelas unidades do CRAS (Centro de Referência de
Assistência Social)”.

        A oficina de artesanato vem sendo aprimorada desde o começo
de abril com o objetivo de capacitar as cerca de 70 famílias inscritas no
projeto para uma atividade profissional. A iniciativa faz parte da proposta da
Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos do Município no sentido de “não
só atender a população de baixa renda em suas necessidades imediatas, mas
também oferecer condições voltadas à valorização dela enquanto cidadãos com
direito a uma vida com dignidade”.

        – A nossa proposta é priorizar serviços de assistência social
que promovem o resgate da cidadania, e não desenvolver uma política meramente
assistencialista. Isso porque o cidadão merece respeito e tem seus direitos
essenciais garantidos por lei. As famílias que participam da oficina de
artesanato estão aprendendo a confeccionar as peças, e ao mesmo tempo estão
inseridas em outros programas de benefícios sociais, mediante o preenchimento
dos requisitos estabelecidos pela legislação, entre eles, os programas Bolsa
Família e o BPC (Benefício de Prestação Continuada). É a história de não apenas
dar o peixe, mas também ensinar a pescar – disse Rosana de Almeida.

        As duas unidades do CRAS em Quatis se localizam no Centro e
no Jardim Independência. Já as famílias residentes na zona rural são
acompanhadas por uma unidade volante. As atividades da oficina de artesanato
são realizadas uma vez a cada duas semanas, nas comunidades rurais, nos seguintes
locais: distrito de Falcão (antigo clube da localidade, cujas dependências
foram alugadas pela prefeitura para a realização de projetos sociais, culturais
e esportivos); São Joaquim (clube do distrito); Santana (galpão da comunidade
quilombola) e Joaquim Leite (Escola Municipal Benta Pereira). O aprendizado
sobre confecção de peças de artesanato reúne mulheres das 70 famílias
inscritas.

        Os programas sociais promovidos em Quatis pela prefeitura,
através da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos,
dentro dos quais a oficina de artesanato está incluída, têm, ao todo, 2.284
famílias de baixa renda cadastradas, atualmente. Cerca de 350 destas famílias
recebem, além dos benefícios previstos na política nacional do setor,
acompanhamento permanente prestado por psicólogos e assistentes sociais.


no mês de março, por exemplo, foram registrados 307 atendimentos com estes
psicólogos no CRAS do Jardim Independência. Outras três oficinas culturais
também são realizadas junto às famílias de baixa renda cadastradas no
Município. São elas: música, dança e teatro.

 

 

Leave A Comment

Skip to content