Levantamento mostra controle nos gastos com funcionalismo e valorização dos servidores de carreira

Um levantamento da
Secretaria Municipal de Finanças mostra que, durante o exercício financeiro do
ano passado, o percentual médio aplicado pela Prefeitura de Quatis nos gastos
com folha de pagamento dos servidores ficou abaixo dos limites estabelecidos
pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

Enquanto
a legislação para essa modalidade de despesas fixa os índices de 51,30 por
cento (limite prudencial) e 54 por cento (limite máximo), a prefeitura encerrou
2017 com o índice médio de 47,5 por cento da receita corrente líquida aplicado
no pagamento de salários do funcionalismo, incluindo servidores de carreira,
ocupantes de cargos em comissão e contratados. Na foto, um segmento dos servidores
de carreira em um curso de capacitação promovido pela prefeitura.

        Em reais, o montante das despesas destinadas pela prefeitura
à folha de pagamento em 2017 foi de aproximadamente R$ 26 milhões, quase R$ 4
milhões a menos do que se os gastos relacionados aos salários do funcionalismo tivessem
alcançado o limite máximo (54 por cento). A receita corrente líquida é formada
pela soma dos recursos que formam uma parte da arrecadação do Município, e que
podem ser utilizados em despesas com pessoal. No exercício do ano passado, o
total desta receita ficou em R$ 55.163.133,40.

        Para o prefeito Bruno de Souza (MDB), “o percentual médio da
arrecadação aplicada no pagamento dos funcionários da administração municipal é
um demonstrativo importante da austeridade adotada pela prefeitura visando
manter o equilíbrio das contas públicas”. Ele enfatizou que as medidas de
contenção passam também pelo controle na nomeação de cargos em comissão.

Atualmente,
dos 1.075 funcionários da Prefeitura de Quatis, apenas 177 são cargos de
confiança. Já o número de servidores do quadro estável alcança 860
profissionais. Os outros 38 empregados do Município trabalham na condição de
contratados, a maioria deles pagos com verbas federais repassadas à cidade para
esse fim específico. É o caso, por exemplo, dos agentes comunitários de saúde.

– Além
de manter a folha de pagamento sob controle, os números relacionados ao quadro
atual de funcionários da prefeitura torna realidade outro demonstrativo
incontestável de valorização dos servidores efetivos por parte da nossa
administração. Basta dizer que a quantidade de funcionários estáveis é quase
cinco vezes maior do que a quantidade de cargos em comissão. Portanto, temos muito
mais servidores efetivos do que cargos de confiança – declarou Bruno,
reafirmando que a valorização do funcionalismo público “continua sendo uma
prioridade” em seu segundo mandato à frente da Prefeitura de Quatis.

 

 

  

 

 

 

Leave A Comment

Skip to content